top of page

Em nossa evolução, o que nos difere em termos de comportamento de cuidar e compaixão?

A evolução dos comportamentos anti-sociais para o de cuidado e como este se transforma em compaixão




Tradução livre de Sheila Zilberberg




O psicólogo clínico britânico Paul Gilbert é fundador da terapia focada na compaixão (CFT), um sistema de psicoterapia que ajuda as pessoas a desenvolver e trabalhar com experiências de calor interior, segurança e calmante através da compaixão e da autocompaixão. Paul sugere que a compaixão pode fornecer “a sensibilidade para se envolver com as coisas difíceis da vida, incluindo a compaixão pelo lado sombrio” . Dado meus próprios interesses no lado claro versus escuro, achei o trabalho de Paul muito intrigante. Eu estava animado para conversar com ele sobre uma ampla gama de tópicos relacionados à compaixão e o que podemos fazer para tornar o mundo um lugar mais compassivo e ajudar as pessoas que estão presas no lado sombrio.


Por que os comportamentos antissociais evoluíram?


Provavelmente, a melhor maneira de definir antissocial é como "ações que apoiam o próprio interesse de alguém às custas dos outros". A maioria das formas de vida tem que comer outras formas de vida para sobreviver, então a predação é anti-social para a presa obviamente. Em termos de competição por recursos, existem dois tipos de competição: disputa e competição. Na disputa não há conflito direto (por exemplo, pássaros em um campo de trigo onde há mais do que o suficiente para todos), mas com escassez há competição com desejos de inibir competidores por meio de intimidação ou lesão (por exemplo, pássaros em um gramado lutando sobre um pedaço de pão). Assim, certas formas de competição são por natureza anti-sociais e insensíveis. Muitas espécies - especialmente primatas - também formam grupos e grupos podem ser muito hostis a outros grupos. Olhando para os últimos 4.000 anos de violência tribal, tortura, escravidão, os jogos romanos, o Holocausto e as guerras de hoje, temos que dizer que os humanos têm sido bastante anti-sociais durante grande parte de nossa história recente; somos potencialmente uma espécie muito desagradável.


Como os comportamentos pró-sociais evoluíram?


Essa sempre foi uma questão central na ciência da evolução e parte da resposta veio quando o foco mudou da sobrevivência e reprodução do indivíduo para os genes. Existem duas estratégias reprodutivas básicas: a primeira é produzir centenas de ovos/filhos e deixá-los se defenderem e apenas alguns sobreviverão para se reproduzir. A segunda estratégia é ter menos descendentes, mas investir no início da vida para sustentar sua sobrevivência até a idade reprodutiva. Portanto, qualquer forma de cuidado e investimento parental é altruísmo de parentesco; agindo de forma a ajudar seus genes a serem passados ​​para as gerações subsequentes. Isso dá origem à evolução do apego e do cuidado. Cuidar veio com mecanismos evoluídos para estar atento aos sinais de angústia e necessidades do outro (criança), e habilidades para descobrir o que fazer. Com o tempo, os mecanismos que facilitam o cuidado foram sendo recrutados para outras formas de comportamento social. Hoje os humanos podem mostrar um comportamento de cuidado extraordinário com amigos e aliados e também com estranhos (como nas profissões de ajuda).


O que distingue a compaixão do cuidado básico não humano?


Cuidar, como qualquer outro motivo, é executado em algoritmos básicos de estímulo-resposta ("se A, faça B")--se predador, corra ou congele; se comer, cavar, colher ou caçar e perseguir; se for um sinal sexual, então adote rotinas de namoro; se o bebê demonstrar angústia, engaje-se em um comportamento de carinho.

O cuidado começa com alguma (estímulo) sensibilidade atencional ao sofrimento e necessidades de outro (criança) com comportamento de ajuda (resposta). A definição real de compaixão não difere muito desse algoritmo básico. Assim, podemos definir a compaixão como uma sensibilidade ao sofrimento em si mesmo e nos outros com o compromisso de tentar aliviá-lo e preveni-lo. Às vezes, isso pode exigir imensa coragem e sabedoria. Em termos de uma auto-identidade compassiva, é: "Que eu seja útil, não prejudicial". Este lema pode ser aplicado não apenas a nós mesmos, mas às nossas escolas, empresas e instituições políticas: como construí-los para serem úteis e não prejudiciais.

O que transforma o comportamento básico de cuidado em compaixão é que os humanos desenvolveram toda uma gama de novas competências e tipos de consciência e percepção que nos permitem ter insight e previsão, pensamento sistêmico, um senso objetivo de si mesmo e intencionalidade consciente. Nenhum leão pode acordar e decidir fazer um treinamento em circuito para ficar em forma, porque não pode prever como seu comportamento terá impacto no futuro. Nós podemos. Podemos tomar decisões sobre anular ou inibir um motivo ou emoção ou acentuá-los. Diante disso, uma maneira de pensar em compaixão é que compaixão é quando utilizamos nossas novas competências cognitivas cerebrais a serviço de cuidar e apoiar os outros. Ratos e macacos cuidam de seus bebês, mas eles não podem, até onde sabemos, escolher comportamentos de forma consciente, intencional e consciente, e estar cientes de que seus comportamentos de cuidado podem afetar o desenvolvimento da criança.


5 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page